‘A indústria da moda precisa acordar para a sustentabilidade’

É nisso que acredita Graça Cabral, diretora da empresa que organiza São Paulo Fashion Week e Fashion Rio

Alice Lobo – especial para O Estado

Sustentabilidade é um caminho sem volta. É nisso que acredita Graça Cabral, diretora institucional da Luminosidade, empresa que organiza o São Paulo Fashion Week e o Fashion Rio. Para ela, é fundamental que a indústria da moda acorde para a questão da sustentabilidade. “A gente usa o SPFW para levar assuntos importantes para o mercado e o grande público.”

Daniel Deak/Agência Fotosite/DIVULGAÇÃO
Daniel Deak/Agência Fotosite/DIVULGAÇÃO
Graça Cabral é a diretora da empresa que organiza as semanas de moda do Rio e de São Paulo

Veja também:

linkFashion London: moda ética, muito além do reciclado 

linkNo Brasil, moda eco ainda engatinha, mas ganha fôlego 

linkUpcycle nacional: Pacotes de salgadinho e lixo eletrônico viram acessórios 

Como foi trazer a sustentabilidade para a moda há quatro anos, quando pouca gente sabia o que queria dizer essa palavra?

Queríamos tratar da sustentabilidade sem ser ecochatos. A ideia era marcar o início de um processo de reflexão na moda, para que isso passasse a ser discutido nas empresas também. Precisávamos dar o exemplo, o primeiro passo.

O que mudou desde então?

Hoje a gente vê, por exemplo, a cultura do algodão toda sendo revista para se tornar sustentável, pois ela polui o lençol freático e é tóxica. Era essa nossa intenção em 2003, rever processos e materiais usados e torná-los menos agressivos ao meio ambiente. Também fizemos um projeto no qual estilistas desenvolveram roupas a partir de PET, lã e algodão orgânico, couro vegetal, papel e sementes. E com isso mostramos como é possível criar uma peça desejável a partir de um material com que nem o estilista nem o público está acostumado.

Mas como esse debate sobre sustentabilidade pode chegar no consumidor?

Mudança de hábito é algo difícil, e as pessoas se sentem ameaçadas por pensar que elas têm de abrir mão de algum conforto. Por isso, temos de ir pouco a pouco ganhando espaço e mostrando que há meios de começar a fazer as pessoas entenderem que elas têm de fazer a parte delas, que não é algo que vem de cima para baixo e sim que é uma somatória de pequenas atitudes de cada um.

Fonte: Estadão/Planeta

Anúncios