Zara cria disque-denúncia de trabalho escravo

Fiscalização do Ministério do Trabalho flagrou trabalhadores em condições precárias

Fonte: Agência Estado

O representante do grupo Inditex, do qual a empresa de confecção Zara faz parte, Jesus Echevarria, afirmou na tarde desta quarta-feira (14) que criará um disque-denúncia para combater trabalho escravo. A declaração foi dada em uma audiência pública promovida pela Comissão de Direitos Humanos da Câmara de São Paulo.

A audiência foi motivada por uma fiscalização do Ministério do Trabalho que flagrou as empresas Inditex e AHA usando trabalhadores bolivianos, peruanos, paraguaios e brasileiros em estabelecimentos clandestinos em condições precárias de segurança e de higiene.

Echevarria anunciou que o número 0800 770 9242 entrará em operação ainda nesta quarta-feira. Segundo o representante, o grupo também fortalecerá o monitoramento da cadeia produtiva, implementará um programa de capacitação de fornecedores e fará um manual de boas práticas para a indústria têxtil.

Segundo o auditor-fiscal Luís Alexandre de Faria, que coordenou a investigação que flagrou a prática de trabalho escravo por empresas terceirizadas pela Zara, os maiores problemas com relação a trabalho escravo no Brasil estão diretamente ligados às cadeias de produção nas áreas de vestuário e da construção civil.

 Representantes do ministério da Justiça, Ministério Público do Trabalho, do Itamaraty e da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) também participam do debate, proposto pelos deputados Arnaldo Jordy (PPS-PA), Geraldo Thadeu (PPS-MG) e Manuela d’Ávila (PCdoB-RS).

Anúncios