Balanço da sustentabilidade na SPFW

A São Paulo Fashion Week, edição inverno 2012, terminou na última terça-feira (24/01) e trouxe diversos exemplos interessantes da conjunção entre a moda e a sustentabilidade.

Reaproveitamento de sobras, utilização de tecidos inteligentes ou mesmo a sustentabilidade como inspiração foram os grandes destaques das coleções.

Nesta edição, tive a oportunidade de participar de uma etapa do evento, apoiando o estilista Mario Queiroz a desenvolver um projeto em que o atributo da sustentabilidade fosse evidenciado por meio do reaproveitamento de tecidos de coleções passadas. Mario não só seguiu esta inspiração, como também desenvolveu uma linha de jóias com foco no conceito de upcycling (transformação de algo que está no fim de sua vida útil em algo novo, de maior valor, sem precisar passar pelos processos físicos ou químicos da reciclagem). O resultado foi uma coleção linda e de muita qualidade, com estampas que certamente contam histórias e revelam momentos da trajetória deste talentoso estilista.

Como não poderia deixar de ser, a Osklen , de Oskar Metsavaht, tentou traduzir na passarela um tema de difícil compreensão, a Agenda 21. Tecidos orgânicos, seda ecológica e tingimentos à base de vegetais foram as escolhas da marca. Metsavaht foi nomeado embaixador da Boa Vontade da Unesco em 2011 e em entrevista para o site UOL declarou que a moda sustentável só vai ser possível em 100 anos, justamente por conta da relação com a cadeia de fornecedores. A Osklen, por meio do Instituto E, vai fazer um levantamento da pegada de carbono dos tecidos e matérias-primas que utiliza.

Alexandre Herchcovitch trouxe em seu desfile masculino uma malha produzida com resíduos da indústria têxtil e garrafas PET. A peça é resultado da parceria do estilista com a EcoSimple e aproveita, inclusive, as cores originais dos resíduos. No Fashion Rio, o estilista já tinha apresentado uma bolsa linda feita de lona Cargo (igual a usada em caminhões).

E uma das coisas que mais gostei foi o desfile da UMA, de Raquel Davidowicz, que mesclou suas modelos com convidadas de diferentes idades, “roupas de verdade para todo tipo de pessoa”, segundo a estilista.

Eu também dei as caras na SPFW para ver o desfile do Mario Queiroz. Gostei da estrutura geral do evento, feita de papelões e, claro, de observar a moda em tempo real, de diferentes cores, texturas, estilos…

Anúncios