As 15 grifes de luxo mais (e menos) sustentáveis

Valentino

Valentino

O Greenpeace Itália classificou 15 marcas italianas e francesas de alta-costura com base em uma pesquisa sobre três seções das cadeias de fornecimento global das grifes: couro, papel e celulose, e poluição tóxica da água

Valentino, um exemplo

São Paulo – Em sua nova ofensiva pelasustentabilidade no mundo da moda, o grupo ambientalista Greenpece listou o desempenho das grifes de luxo nessa seara. Quinze marcas da alta-costura foram convidadas a responder o questionário da ONG, com 25 tópicos que giram em torno de três seções: política de compra de couro (se é proveniente de criações de gado ligada ao desmatamento de florestas); a origem da celulose usada para fazer embalagens de papel (se também ocasionou a derrubada ilegal de árvores) e, por fim, a qualidade da produção têxtil. Nesse último item, avalia-se, por exemplo, o uso de produtos químicos perigosos que possam comprometer os recursos hídricos. Quem lidera o ranking, apresentando um desempenho “bom” é a grife italiana Valentino. De acordo com o Greenpeace, a marca é transparente sobre seu compromisso com a implementação de políticas de desmatamento zero para o couro e embalagens e procura reduzir ao máximo o impacto ambiental da produção de tecidos.

Armani

Segunda colocada no ranking, a Armani respondeu apenas parcialmente e com um baixo grau de transparência o questionário, segundo o Greenpeace. Embora demonstre comprometimento com a compra responsável de couro e da celulose para fabricação de embalagens, a marca não se posiciona a respeito do uso de produtos químicos nas suas roupas que possam contaminar recursos hídricos ao fim do seu ciclo de vida.

Dior

Em resposta ao questionário do Greenpeace, a Christian Dior afirma que tem políticas de desmatamento zero em vigor com relação ao couro e à celulose. Apesar disso, a Ong ambientalista diz que a empresa ainda usa produtos químicos perigosos na confecção dos tecidos.

Gucci

A italiana Gucci também está comprometida com políticas que garantam a sustentabilidade de suas matérias-primas. Para alcançar um desempenho mais exemplar, no entanto, a marca precisa abraçar metas de desintoxicação do processo têxtil.

Louis Vuitton

A Louis Vuitton afirma ter políticas de desmatamento zero com relação à origem do couro e à compra de celulose. Mas, segundo o Greenpeace, a holding deixa a desejar nas metas de desintoxicação da produção têxtil.

Ermenegildo Zegna

A marca de luxo italiana Ermenegildo Zegna é outra de desempenho mediano quando o assunto é meio ambiente, na avaliação do Greenpeace. A principal crítica feita pela Ong é a de que a grife ainda não se juntou à campanha de desintoxicação do Greenpeace, a Detox.

Versace

A grife de alta-costura comandada por Donatella Versace se empenha em garantir a sustentabilidade da origem do papel que usa em suas embalagens e também do couro. Entretanto, segundo a Ong, a marca ainda não aceitou um compromisso vinculativo para colocar em prática a política de desmatamento zero e o programa Detox

Salvatore Ferragamo

Famosa por suas bolsas e sapatos ostentados por beldades como Marilyn Monroe, Audrey Hepburn e Claudia Schiffer, a grife italiana Salvatore Ferragamo não convence quando o assunto é meio ambiente. Segundo o Greenpeace, apesar da marca demonstrar preocupação com a origem do papel de suas embalagens, ela ainda carece de um compromisso vinculativo pelo Desmatamento Zero e pela eliminação de produtos químicos perigosos na confecção dos tecidos.

Roberto Cavalli

De acordo com o Greenpeace, a grife de alta-costura Roberto Cavalli não forneceu respostas concretas para a pesquisa, tampouco assinou compromissos de desmatamento zero. De acordo com a Ong, “não há garantia de que a empresa possui políticas que asseguram o respeito às florestas e aos recursos hídricos”.

Alberta Ferretti

A lista de marcas reprovadas pelo Greenpeace começa com Alberta Ferretti. Especializada em roupas da moda feminina, a grife não respondeu ao questionário da Ong,”recusando-se a compartilhar” informações sobre sua política de compra de couro e celulose e uso de produtos tóxicas na produção têxtil.

Chanel

Por não tomar qualquer decisão sobre melhorias em suas políticas ambientais, a Chanel também aparece entre os últimos colocados no ranking. Segundo o Greenpeace, a marca não respondeu a pesquisa sobre suas práticas de negócios.

Dolce & Gabbana

Outra grife de alta-costura criticada foi a Dolce & Gabbana. Segundo o Greenpeace, a marca “não respondeu” ao questionário, o que, segundo a Ong, demonstra falta de transparência com os consumidores sobre sua política ambiental.

Hermès

Conhecida pela elegância e sobriedade de suas coleções, a grife francesa é outra que decepciona no ranking de moda verde. De acordo com o Greenpeace, a marca não respondeu a nenhum dos questionários sobre a política ambiental da sua produção.

Prada

Símbolo de luxo e status, a grife italiana Prada está longe de ser considerada ecofriendly, segundo a Ong ambientalista. Como suas antecessoras no ranking, a marca não respondeu ao questionário sobre política ambiental.

Trussardi

Fechando a lista de grifes de alta-costura menos verdes, aparece mais uma italiana, a Trussardi. O mau desempenho deve-se à recusa da marca em responder o questionário de política ambiental, o que, segundo o Greenpeace, demonstra falta de compromisso e transparência com os consumidores.

Fonte: Exame.com

Anúncios