Moda Limpa (Por Página 22)

Detox, campanha do Greenpeace para as marcas de moda

Detox, campanha do Greenpeace para as marcas de moda

Campanha Detox, do Greenpeace, mostra a relação entre vestuário, saúde humana e contaminação ambiental

Ninguém para em frente ao espelho do provador se perguntando se a blusa que lhe caiu tão bem contém nonilfenol etoxilado. Mas resíduos desse disruptor endócrino – substância capaz de afetar o funcionamento de glândulas como tireoide e ovários – foram encontrados em 14 peças de roupas de marcas famosas.

A descoberta foi possível graças à análise encomendada pelo Greenpeace Internacional [1], que divulgou seus resultados em março de 2012. Os relatórios da ONG trazem relatos de problemas de pele e alergias nos moradores próximos a fábricas na China e no México, onde o despejo de resíduos parece descontrolado.

O relatório Dirty Laundry: Reloaded, está disponível em inglês

O trabalho ainda mostrou que a contaminação química gerada pela indústria têxtil não se restringe aos rios dos países em desenvolvimento, onde a maior parte das roupas é fabricada. Resíduos químicos perigosos também se encontram presentes nos produtos têxteis à venda no varejo do mundo rico. Dessa forma, o poder de pressão dos consumidores dos países desenvolvidos é a principal arma da campanha Detox, lançada pelo Greenpeace em julho de 2011.

Ao mirar nas grandes marcas, o Greenpeace almeja impactar toda a cadeia de produção, eliminando substâncias perigosas utilizadas 
na lavagem, tingimento e amaciamento de tecidos e couros. Até o momento, 15 marcas de peso [2] comprometeram-se a zerar até 2020 o uso de uma série de produtos tóxicos com efeitos mutagênicos, carcinogênicos, bioacumulativos e disruptores endócrinos.

[2] Adidas, Benetton, C&A, Esprit, G-Star Raw and Valentino, H&M, Levi’s, Li-Ning, M&S, Mango, Nike, Puma, Uniqlo, Victoria’s Secret e Zara

Promessa esta nada fácil de cumprir, dada a acentuada ramificação da indústria têxtil. As empresas contratam grandes fornecedores, que contratam médias confecções. Estas, por sua vez, subcontratam pequenas oficinas, de modo que se torna uma missão quase impossível o controle total sobre os produtos químicos empregados nas etapas de produção.

Para enfrentar o gargalo, além da conscientização dos consumidores, a campanha pressiona as empresas a divulgarem dados mais detalhados de seus fornecedores. “Grupos locais com mais informações, mesmo que incompletas, podem fazer pressão sobre as instalações locais”, diz Marietta Harjono, do Greenpeace Internacional.

Embora o alvo esteja nas principais marcas globais, ela acredita que uma conscientização aliada à demanda de mercado pode mudar até os ramos mais finos da cadeia. “A campanha visa estimular a oferta
 de químicos não perigosos à indústria têxtil. O aumento da procura 
por esses produtos deve tornar mais fácil inclusive para as pequenas empresas fabricarem roupas sem produtos tóxicos.”

Até agora, a artilharia mais pesada da campanha foi direcionada à China, principal fornecedor de têxteis ao mercado internacional. Contudo, os acordos assumidos pelas marcas são globais, ou seja, prometem atingir os negócios no mundo todo, inclusive no Brasil. Embora a legislação brasileira seja mais exigente que a chinesa do ponto de vista socioambiental, Marcelo Furtado, diretor-executivo 
do Greenpeace Brasil, observa que não estamos livres de casos de contaminação [3] como os denunciados pela campanha. “A legislação brasileira não proíbe o uso da maioria dessas substâncias e o monitoramento é frágil.”

[3] Há vários relatórios denunciando casos graves de contaminação na China e no México, bem como sobre as principais substâncias tóxicas envolvidas, todos em inglês, acessíveis no site

O consumidor brasileiro que quiser saber onde suas roupas foram feitas e checar as condições de produção encontrará dificuldades. Das 15 empresas que aderiram à campanha, apenas a C&A fornece informações em português e apresenta relatório de sustentabilidade específico do Brasil. O de 2011 informa que a empresa possui 274 fornecedores diretos e pouco mais de 1.400 subcontratados, mas não revela os locais de fabricação, apenas sua distribuição por estado.

A reportagem procurou mais de uma vez Nike, Adidas, Levi’s, C&A e Benetton para esclarecimentos sobre os compromissos assumidos com o Greenpeace e eventuais reflexos dos acordos nas suas atividades no Brasil. Até o fechamento desta reportagem, nenhuma dessas companhias respondeu aos pedidos de entrevista e às questões enviadas por email.

Fonte: Página22

Anúncios